Pular para o conteúdo principal

Mandacaru


                          
Nome da fruta: Mandacaru
Nome científico: Cereus jamacaru DC.
Família botânica: Cactaceae
Categoria:
Características da planta: Arborescente, geralmente de até 10 metros de altura, forma colunar, muito ramificada desde a base, provida de espinhos longos. Flores grandes, alvas, que se abrem durante a noite.
Fruto: Tipo baga, alongado, casca grossa e vermelha quando maduro, polpa comestível, adocicada, branca  suculenta, contendo muitas sementes pequenas e de coloração preta.
Frutificação: Quase o ano todo, conforme as chuvas.
Propagação: Vegetativa
Crescendo em todo tipo de solo árido, entre piçarrentos e pedregosos, perfeitamente adaptado a longos períodos de seca e sempre frutificando, o mandacaru é elemento indissociável da paisagem típica da Caatinga e do sertão nordestino. Seus ramos sempre verdes, os frutos vermelhos e as belíssimas flores brancas, que apenas dão o ar de sua graça durante a noite, são alguns dos poucos elementos de cor nesse cenário ermo e cinzento, que tão frequentemente maltrata a vida dos seus habitantes.
Entretanto, a crença de que a floração do mandacaru anuncia a boa safra de chuvas na região, difundida pelas famosas palavras da música e refletida na cultura popular sertaneja, não pode ser entendida literalmente. Embora seu crescimento e sua frutificação estejam diretamente relacionados à disponibilidade de água no ambiente, sobretudo no solo, a crença popular baseia-se na idéia de que os verticilos florais, que surgem pela fecundação da flor, só cairão em terra molhada pela chuva, o que não se justifica cientificamente.
Isso de forma alguma minimiza o valor da fruta do mandacaru. Sua casca grossa, vermelha, de cerca de 10 cm de comprimento, guarda uma polpa branca e suculenta, pontilhada de sementes pequenas e negras. Apesar do sabor pouco apreciável, o mandacaru é bastante valorizado pelas populações locais, sobretudo para matar a sede, mas também para, com seus ramos, alimentar os animais – seja o gado, seja as aves domésticas – e produzir forragem.
Frequente nos estados de Alagoas, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuo, Sergipe, Bahia e no norte de Minas Gerais, o mandacaru, parente do figo-da-índia e da palma, tem ramos abundantes, considerando-se que se trata de um cacto. Estes crescem em ângulo agudo em relação ao solo e são levemente curvados, de modo que a árvore ganha a aparência de um candelabro. É daí que surge o nome de sua família, Cereus, derivado de “círio”, que significa “vela”.
É por causa dessa forma do caule, grosso e elíptico, que o mandacaru perde pouca água para a atmosfera. Munido de incontáveis espinhos e desprovido de folhas, sua superfície de evaporação é reduzida. Os espinhos, além disso, funcionam como protetores dos frutos, impedindo que sejam comidos diretamente pelos animais, na ausência de outros alimentos.
No entanto, do mandacaru não é apenas o fruto o que se aproveita. As raízes e o caule, de conteúdo diurético, são utilizados pelas populações sertanejas em inúmeros xaropes; os espinhos são usados como agulhas para tecer almofadas de bilro; o tronco seco serve de material para portas, janelas e  telhados; e a planta toda, de ornamentação em praças e avenidas.
Fonte:http://poderdasfrutas.com

Comentários

TOP 10 DA SEMANA

Biri-biri

 Você já ouviu falar no biri-biri? É uma fruta que se parece com a carambola e também é conhecida como limão de caiena, devido ao seu sabor azedo característico e localização pela qual chegou às terras brasileiras, entrando na Amazônia por Caiena, na Guiana Francesa. Ela é muito comum na Bahia e faz parte de muitos pratos da culinária regional. A cultura popular acredita que essa frutinha é “antidiabética” e que ajuda a queimar calorias! Um estudo do extrato da fruta mostrou que ela é capaz de diminuir em 50% as taxas de glicose do sangue,  além da sua alta concentração de vitamina C. O azedinho do biri-biri combinado com algumas folhinhas de hortelã se transforma num delicioso e refrescante suco.

Fonte: http://www.goodlight.com.br

Umbu

Umbu é uma fruta de polpa suculenta nativa da Caatinga,região de fortes secas.
A árvore, quando adulta, vive em média 100 anos e pode armazenar até dois mil litros de água em suas raízes.  O umbu destaca-se pelo aroma e pelo quanto pode ser consumido sem causar desconforto. 
Sua polpa tem ação energética e é rica em hidratos de carbono e vitaminas B e C. Seu uso culinário abrange o fruto maduro e verde,transformado de diversas formas,e as folhas cruas ou refogadas.

Bastante apreciado in natura, o umbu é utilizado na fabricação de polpa, suco, sorvete, doce, geléia e uma grande variedade de produtos. Industrializado, o fruto apresenta-se sob forma de sucos engarrafados, doces, geléias, vinho, polpa de frutas.
Pode se cozinhar os frutos mais "passados" para obter vinagre ou bater a polpa com leite e açúcar pra se fazer a tradicional Umbuzada,que pode substituir a refeição noturna do nordestino.

Fonte: lilliverdi.blogspot.com.b




Cagaita

Esse fruto do Cerrado é rico em antioxidantes e vitamina C, tendo um sabor azedinho e ainda um efeito laxativo quando consumidos em grande quantidade  principalmente se estiverem quentes. Já suas folhas têm o efeito oposto quando preparadas em infusão. O nível de vitamina C encontrado nela é superior ao das frutas comuns, e isso faz dela um potencial para bebidas isotônicas e funcionais, assim como seu emprego em geleias e refrigerantes, que ainda terão como acréscimo suas propriedades antioxidantes.

Jambo

O seu gosto é adocicado e suavemente ácido e o aroma é parecido ao de rosas. O jambo é composto por vitamina C, antioxidantes que atuam diretamente na prevenção do envelhecimento precoce,flavonoides e taninos.Todos esses ingredientes neutralizam a ação dos temidos radicais livres, e contribuem para a formação do colágeno e também contra tumores. Fonte:http://www.mundodastribos.com

Cambuci

Além de frutífera a árvore também é ornamental, estando infelizmente sob risco de extinção. Nativa da Mata Atlântica, seus frutos são um ótimo ingrediente para doces e sucos. Arredondado, de polpa carnuda, fibrosa e com poucas sementes, o fruto tem um perfume adocicado e intenso. Há ainda a casca, que verde e com tons em amarelo, é adstringente. O sabor é um pouco ácido, bem parecido com o do limão e apesar de poder ser consumida, o melhor uso é mesmo para o preparo de doces, geleias e sucos.