Pular para o conteúdo principal

Sapoti



Esta fruta, semelhante ao caqui em sabor e nutrientes, é cultivada no Brasil principalmente no Nordeste. 
O seu fruto, quando verde, é rico em tanino, porém quando amadurece essa substância desaparece por completo. 
Seu fruto é muito saboroso, doce e não possui substâncias ácidas. Em virtude da presença de fibras, é um laxante suave e eficaz. Facilita a produção de bílis (ação colerética) como sua eliminação (ação colagoga). Excelente no combate às doenças do fígado e da vesícula biliar, tem ainda ação diurética e anti-inflamatória. 

As vitaminas do sapoti são a A, B1, B2, B5, e C. Sais minerais: cálcio, fósforo, ferro, magnésio, silício, potássio e sódio. 

O látex produzido por essa árvore é extraído e utilizado para fabricar a goma de mascar (chiclete). Hoje existem chicletes artificiais com seivas de outras árvores, inclusive a partir dos derivados de petróleo, às quais são adicionados corantes, conservantes, açúcares, fragrâncias e essências de sabor. 

As sementes do sapoti trituradas e diluídas em água são diuréticas e usadas também contra cálculos renais. 
O fruto pode ser ingerido ao natural ou em forma de suco. 

Os maias, que costumavam ter grande precisão e elegância na linguagem relacionada a natureza, chamavam de “zapote” todas as frutas de polpa cremosa e de sabor doce, segundo conta Clara Inês Olaya. Hoje existem mais de 400 espécies de saponáceas americanas, entre elas o sapoti, fruto também conhecido no México e em outras partes da América Latina como “níspero”. 

Embora muito apreciados, os sapotis devem ser consumidos apenas quando estiverem maduros, pois, quando verdes, possuem látex e tanino de sabor desagradável. 

Mas nem só o fruto, a fruta, que como já vimos é rico em vitaminas e sais minerais, principalmente ferro, era e permanece sendo muito apreciado. A árvore como um todo, frondosa e elegante, era grande amiga de maias e astecas. Sua madeira, forte e elástica, era matéria-prima para boa parte de suas construções, inclusive algumas que ainda fazem história, ruínas turísticas resistindo ao tempo. 

Arredondado ou oval, de casca amarronzada, por vezes esverdeada, o miolo do sapoti apresenta uma curiosa forma de estrela, delineada pelas sementes negras distribuídas pela polpa quase translúcida. Esta polpa, de coloração marron-amarelada e farinhenta, apresenta um sabor incomparável, atraindo legiões de admiradores. 

Fonte: Poder das Frutas / Wikipédia 

Comentários

Postar um comentário

TOP 10 DA SEMANA

Biri-biri

 Você já ouviu falar no biri-biri? É uma fruta que se parece com a carambola e também é conhecida como limão de caiena, devido ao seu sabor azedo característico e localização pela qual chegou às terras brasileiras, entrando na Amazônia por Caiena, na Guiana Francesa. Ela é muito comum na Bahia e faz parte de muitos pratos da culinária regional. A cultura popular acredita que essa frutinha é “antidiabética” e que ajuda a queimar calorias! Um estudo do extrato da fruta mostrou que ela é capaz de diminuir em 50% as taxas de glicose do sangue,  além da sua alta concentração de vitamina C. O azedinho do biri-biri combinado com algumas folhinhas de hortelã se transforma num delicioso e refrescante suco.

Fonte: http://www.goodlight.com.br

Umbu

Umbu é uma fruta de polpa suculenta nativa da Caatinga,região de fortes secas.
A árvore, quando adulta, vive em média 100 anos e pode armazenar até dois mil litros de água em suas raízes.  O umbu destaca-se pelo aroma e pelo quanto pode ser consumido sem causar desconforto. 
Sua polpa tem ação energética e é rica em hidratos de carbono e vitaminas B e C. Seu uso culinário abrange o fruto maduro e verde,transformado de diversas formas,e as folhas cruas ou refogadas.

Bastante apreciado in natura, o umbu é utilizado na fabricação de polpa, suco, sorvete, doce, geléia e uma grande variedade de produtos. Industrializado, o fruto apresenta-se sob forma de sucos engarrafados, doces, geléias, vinho, polpa de frutas.
Pode se cozinhar os frutos mais "passados" para obter vinagre ou bater a polpa com leite e açúcar pra se fazer a tradicional Umbuzada,que pode substituir a refeição noturna do nordestino.

Fonte: lilliverdi.blogspot.com.b




Cagaita

Esse fruto do Cerrado é rico em antioxidantes e vitamina C, tendo um sabor azedinho e ainda um efeito laxativo quando consumidos em grande quantidade  principalmente se estiverem quentes. Já suas folhas têm o efeito oposto quando preparadas em infusão. O nível de vitamina C encontrado nela é superior ao das frutas comuns, e isso faz dela um potencial para bebidas isotônicas e funcionais, assim como seu emprego em geleias e refrigerantes, que ainda terão como acréscimo suas propriedades antioxidantes.

Jambo

O seu gosto é adocicado e suavemente ácido e o aroma é parecido ao de rosas. O jambo é composto por vitamina C, antioxidantes que atuam diretamente na prevenção do envelhecimento precoce,flavonoides e taninos.Todos esses ingredientes neutralizam a ação dos temidos radicais livres, e contribuem para a formação do colágeno e também contra tumores. Fonte:http://www.mundodastribos.com

Cambuci

Além de frutífera a árvore também é ornamental, estando infelizmente sob risco de extinção. Nativa da Mata Atlântica, seus frutos são um ótimo ingrediente para doces e sucos. Arredondado, de polpa carnuda, fibrosa e com poucas sementes, o fruto tem um perfume adocicado e intenso. Há ainda a casca, que verde e com tons em amarelo, é adstringente. O sabor é um pouco ácido, bem parecido com o do limão e apesar de poder ser consumida, o melhor uso é mesmo para o preparo de doces, geleias e sucos.